Brasil Price
Rua Sadoc Corrêa, 487, Centro, Araguaína-TO

(63) 3411-1796
relacionamento@brasilprice.com.br

Nova regra do Banco Central determina que bancos sejam mais transparentes com seus clientes

Juros do Cheque Especial irão cair, mas uma nova taxa será cobrada para quem tem mais de R$ 500 disponíveis

Pessoas Físicas ou microempreendedores (MEI) terão acesso a mais informações
Uma nova regra do Banco Central determinou que os bancos sejam mais transparentes com seus clientes em relação ao uso do limite de crédito, o tão conhecido “Cheque Especial”. Os extratos terão que trazer informações mais detalhadas com valores atualizados diariamente do saldo devedor e limite de crédito.
 
Pessoas Físicas ou microempreendedores (MEI) terão acesso a mais informações, como a taxa de juros cobradas ao mês e a tarifa cobrada na operação. A nova regra do BC prevê que o cliente tenha pleno conhecimento do "valor dos juros acumulado no período de apuração, até a data do fornecimento do extrato, destacando eventual dedução realizada em decorrência da cobrança da tarifa pela disponibilização do limite”.
 
Os bancos que estiverem cobrando tarifa só por disponibilizar limite de cheque especial serão obrigados a fornecer essas informações a partir do primeiro dia de junho. Para os que não optam por essa cobrança, a exigência começa a partir de novembro.
 
Em novembro de 2019 o Conselho Monetário Nacional (CMN) limitou para 8% ao mês os juros do cheque especial. O valor equivale a 151,8% ao ano e passou a vigorar em janeiro de 2020.
 
Para repor a perda com a queda na taxa, o CMN autorizou que as instituições financeiras cobrem, a partir do primeiro dia de junho, tarifa para quem tem limite superior de R$ 500 no cheque especial. Essa taxa será o equivalente a 0,25% do que exceder o limite de R$ 500.
 
Ou seja, o cliente terá um limite já pré-aprovado de R$ 500 no cheque especial sem precisar pagar qualquer tarifa. Os que já possuem limite de crédito acima deste valor devem contatar o banco para pedir isenção ou buscar reduzir o valor disponibilizado.
 
Fonte: Uol Economia (http://bit.ly/327L7RX)
Imagem: Money Times

 

Por em às 08:00:00