Saiba como pagar menos impostos com seis dicas simples

Com uma boa assessoria contábil, a empresa pode crescer e pagar menos impostos, além de estar totalmente em conformidade com as leis tributárias

Nesta hora, não resolvem as situações mirabolantes muito utilizadas num passado recente. É preciso conhecimento, informação e estratégias. Conte com a expertise da Brasil Price, aliada à visão empresarial da sua empresa, para buscarmos mitigar o efeito danoso da alta carga tributária e a complexidade da burocracia.

Devido à altíssima carga tributária, o empresário brasileiro se vê sempre vigiado pela Receita, que leva embora uma parcela considerável da riqueza produzida. Mesmo tentado a buscar “caminhos alternativos”, o empresário precisa se manter firme e trabalhar 100% dentro da lei, já que as multas por sonegação de impostos são ainda mais altas do que os tributos.

Hoje já não é mais possível sobreviver sem um sistema informatizado que registre todas as saídas e entradas de uma empresa. O proprietário dificilmente conseguirá vender sem que o documento fiscal seja emitido, já que a empresa fornecedora do software seria apontada como cúmplice da sonegação caso oferecesse a opção de gerar a venda sem que a nota fiscal seja emitida.

Com uma boa assessoria contábil, a empresa pode crescer e pagar menos impostos, além de estar totalmente em conformidade com as leis tributárias. Conheça as dicas:

1 – Enquadre a empresa adequadamente: A empresa precisa estar na faixa tributária mais adequada. Faturar pouco não significa que a empresa deva ficar no Simples Nacional. É preciso fazer uma análise anual de enquadramento com uma boa assessoria contábil. Muitas empresas acabam pagando mais do que deveriam por falta de gestão interna, que não analisou corretamente o regime tributário adequado.

2 – Analise os benefícios fiscais: Sendo viável a permanência no Simples, a empresa precisa verificar os benefícios que a sua categoria tributária pode receber. Isso muitas vezes gera uma redução significativa nos encargos tributários.

3 – Verifique as alíquotas: É essencial ficar atento ao valor dos produtos comprados. Ao ultrapassar os 40% do seu conteúdo em importação, o empresário precisará pagar uma alíquota de 4% de ICMS e, sendo do Simples, não terá direito ao crédito do valor e terá que recolher a diferença de alíquota.

4 – Avalie dividir a empresa: Modifique a estrutura empresarial, separando-a em um conjunto de empresas que serão responsáveis por cada fase da produção. Elas terão regimes tributários mais atraentes, o que gera ganhos em casa fase.

5 – Diminua o pró-labore: Optantes pelo Lucro Real, as empresas podem implantar a distribuição de lucros isentos aos sócios e economizar até 47,5% sobre os valores retirados. É necessário que haja uma cláusula contratual que aborde essa possibilidade e os lucros precisam ser comprovados mediante balancete de suspensão e redução de tributos.

6 – Busque opções: Empresas diferentes em faixas tributárias diferentes podem gerar lucros maiores dependendo da manobra tributária aplicada.  Luciano Aleixo, da Aleixo & Silva, afirma que “startups que possuem um planejamento para gerar prejuízo nos primeiros exercícios podem se beneficiar de um abatimento futuro de tributos no momento que passar a dar lucro, caso estejam enquadradas em Lucro Real”, Rodrigo Tancredi, da HLB Spot Contábil, complementa que “no caso de multinacionais, para um estrangeiro que busca vender serviços no Brasil, a carga tributária é consideravelmente menor se o cliente estrangeiro se estabelecer no país abrindo uma empresa local e, posteriormente, remetendo os resultados da venda de serviços como lucros e/ou dividendos”, disse.

Qualquer que seja o regime tributário, é preciso ter uma relação bem próxima entre cliente e contador. Essa relação conjunta permitirá melhores benefícios e uma redução significativa na hora de declarar o Imposto de Renda à Receita Federal.

 

Fonte original: http://contadores.cnt.br

Imagem: www.portal-administracao.com

Próximo postRead more articles